A biblioteca
7
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-7,bridge-core-2.6.2,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-24.7,qode-theme-bridge,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.5.0,vc_responsive
A Biblioteca Física

A sua origem, espaço e publicações…

A origem da Biblioteca da GNR remonta ao século XIX, mais precisamente à antiga Biblioteca da Guarda Municipal de Lisboa. Instalada no Quartel do Carmo, aí se manteve a funcionar durante mais de um século, “assistindo” à passagem do regime monárquico para o republicano, à criação da própria GNR e ao fim do regime do Estado Novo, em 25 de Abril de 1974.

 

Em 2005, iniciou-se uma nova fase da biblioteca com a transferência de todo o acervo para as instalações do recém-criado Arquivo Histórico da GNR, em Alcântara. Simultaneamente adotou-se o processo de registo e classificação a normas gerais e internacionalmente aceites, pelo que se começou uma nova catalogação de todas as publicações no formato UNIMARC (Universal Machine Readable Cataloging), usada na generalidade dos países, nomeadamente em toda a Comunidade Europeia, e que permite a importação e exportação de registos bibliográficos, entre os serviços das bibliotecas, através da rede da Internet. Do mesmo modo, a classificação da obras, por assunto, passou a efetuar-se com base na CDU – Classificação Decimal Universal, tabela internacional (UDC Consortium) usada em inúmeros países e aconselhada pela Biblioteca Nacional de Portugal.

Indo ao encontro das exigências da atual “sociedade da informação”, em Janeiro de 2013, o catálogo da Biblioteca passará a estar pesquisável on-line através da nova página eletrónica do Arquivo Histórico, inserido no portal da GNR.  No mesmo sentido, foi adotada a aplicação informática PORBASE 5, lançada pela Biblioteca Nacional, para a gestão, organização e disponibilização, do nosso catálogo bibliográfico. Tal requisito permitirá, a muito curto prazo, a integração da Biblioteca da Guarda na PORBASE- Base Nacional de Dados Bibliográficos – que é o catálogo coletivo em linha das bibliotecas portuguesas, constituindo a maior base de dados bibliográficos do país na qual colaboram a Biblioteca Nacional de Portugal e cerca de 200 outras bibliotecas nacionais.

O acervo da biblioteca é constituído por mais de 10 000 publicações, existindo um significativo número, 540, de diferentes títulos de publicações periódicas. A título de curiosidade, a publicação mais antiga que consta do catálogo é um tratado ilustrado de cavalaria de Georg Simon Winters, impresso em Nuremberga no ano de 1687, e que tem a particularidade de se apresentar em quatro diferentes línguas: latim, alemão, italiano e francês. O grosso das obras foram sendo reunidas pela Biblioteca da Guarda na sua já centenária existência, embora haja, como já aforámos, publicações oriundas da Biblioteca da Guarda Municipal de Lisboa e, mais recentemente, da extinta Guarda Fiscal. A partir de Janeiro de 2013, a Biblioteca disponibilizará ao público o recém-criado Fundo Coronel Armando Carlos Alves – exímio oficial da Guarda – constituído por 1200 publicações, algumas raras ou únicas no país, de muito interesse para as missões da GNR, nomeadamente ao nível da segurança interna, atividade policial ou estratégia, entre outros.